terça-feira, 9 de setembro de 2014

Psicóloga explica por que Facebook é tão viciante




Na quarta-feira, 3, o Facebook saiu do ar por alguns minutos. Foi o suficiente para que muitas pessoas manifestassem descontentamento no Twitter por sentir falta da rede social. No início do mês passado, outra queda do serviço teve proporções maiores: nos Estados Unidos, houve quem ligasse para a polícia para reclamar da dificuldade de acesso.


Tal "desespero" reacende uma discussão que parece batida, mas ainda afeta usuários ao redor do mundo todo: o vício na rede social de Mark Zuckerberg, que já reúne 1,3 bilhão de seguidores. Mas, como saber se você está viciado no Facebook?


De acordo com Ana Luiza Mano, psicóloga da PUC-SP e colunista do Olhar Digital, um vício geralmente se caracteriza como um sintoma de algo que não vai bem na pessoa. "A rede social é pensada e formatada para nos manter lá. Nós temos não só nossos amigos e likes, mas também sugestões de contatos, produtos, jogos e páginas estabelecidas de acordo com um algoritmo que estuda nossas preferências. É uma coisa fabricada para nos seduzir e, nos fazer sentir bem", explica.

Essa sensação de bem estar, diz Ana, é obtida por meio da substância dopamina, conhecida como o "hormônio da felicidade". Quando o usuário tem algum problema pessoal e não consegue resolvê-lo, o Facebook se torna uma válvula de escape e, a cada nova notificação, a dopamina entra em ação mascarando a questão interna.



Outra função importante da substância é acostumar a pessoa a buscar várias vezes aquele mesmo estímulo de prazer. "É como comer um pedaço de chocolate e depois de pouco tempo, comer a barra inteira. No caso do Facebook, uma pessoa viciada quer sempre mais notificações, mais amigos, mais páginas para curtir", comenta a psicóloga.



Como detectar o vício?



Segundo a especialista, para saber se você foi picado pelo "vício do Facebook" é preciso fazer uma série de perguntas a si mesmo e analisar seu dia-a-dia. A recomendação é que a pessoa reflita se a ferramenta está atrapalhando no seu desempenho profissional e(ou) acadêmico, se ela está restringindo seus relacionamentos, se você deixa de fazer tarefas básicas como dormir ou comer, sente-se irritado ao não acessar a rede ou ainda, se o Facebook se torna um empecilho na hora de sair de casa.


Se você tiver dificuldades em analisar todos estes dados, pode ainda fazer o teste de dependência de internet, elaborado pelo Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo, que também é válido para o Facebook.


Além disso, é importante notar que o uso prejudicial está muito mais relacionado com a qualidade do que quantidade. "Você pode usar o Facebook como forma de comunicação no seu trabalho diversas vezes no dia, contudo, se em um momento de descanso você não o utilizar, é um sinal de que aquilo não é um vício", elucida Ana Luiza.


Dicas para largar o vício


Se você acredita que se encaixa no perfil de "viciado no Facebook" ou até mesmo em outra rede social, a psicóloga recomenda cinco dicas para tentar largá-lo (caso você queira) e, pouco a pouco, começar a usar o recurso de forma mais moderada. São elas:


1) Tente estabelecer metas ou horários para usar o Facebook. Coloque como limite acessar a rede somente após terminar um tarefa ou nos minutos restantes do horário de almoço, por exemplo.

2) Quando sair em grupo, como em um bar, adote jogos como a famosa "torre" de smartphones. Os aparelhos ficam empilhados em um canto da mesa e quem pegar primeiro terá que pagar a conta.

3) Escolha um dia da semana para não entrar no Facebook. Neste dia, tente se concentrar em hobbys, atividades extras ou até mesmo pendências.

4) Procure trocar uma mensagem no Facebook ou um "parabéns" por uma ligação ou visita presencial.

5) Desabilite os alertas de notificações no celular e(ou) tablet para não ser instigado a olhar seu perfil. O modo avião ou "não perturbe" também ajudam.



Se mesmo seguindo estas indicações, você sentir que ainda está dependente do Facebook, uma ajuda profissional pode ser a melhor opção. Para aqueles que não querem sair de casa, o projeto Psicólogos da Internet oferece orientação via Skype ou e-mails. Após o término do atendimento, caso o usuário queira uma ajuda presencial, a equipe indica local ou profissional de acordo com a região do Brasil que ela se encontra.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Veja 3 dicas para manter suas fotos seguras na nuvem

A Apple nega que o iCloud tenha sido a causa do roubo de fotos íntimas de centenas de celebridades americanas, mas o fato é que elas foram roubadas de alguma forma. Se aconteceu uma vez, pode acontecer novamente e, se há alguma lição a ser tirada disso é que nenhum serviço online é realmente 100% confiável. No entanto, há modos de colocar algumas camadas a mais de segurança no sistema para evitar esse tipo de situação.
Vale observar que o modo mais seguro de armazenar algo que não deve ser visto por mais ninguém é no armazenamento interno, sem transmitir de modo algum o arquivo pela rede, por mais criptografado que seja o tráfego.


Veja as dicas, preparadas pelo Washington Post:


Descubra se você está salvando fotos automaticamente na nuvem
Todos os sistemas (iOS, Android e Windows Phone) têm esta opção nativa, mas muitos estão com ela ativada e nem sabem. Usuários do iOS devem acessar a opção de iCloud na área de Ajustes do dispositivo. Lá, entre em Fotos e ajuste a configuração de backup automático, desligando-a se assim for do seu interesse.


Usuários do Android tem a opção de auto-backup pelo Google+. Para ativar ou desativá-la, basta entrar no aplicativo, em Configurações e entrar em Backup automático. Nesta área, você pode selecionar se prefere o recurso ativado ou desativado.


Já no Windows Phone, o backup automático é feito no OneDrive, mas a opção de desligar está dentro da área de Configurações do aplicativo de Fotos.
Para quem usa o aplicativo do Dropbox no celular, independente do sistema, pode entrar na área de Configurações para desativar o recurso.


Autenticação em dois passos
Você deveria ativar isso para qualquer recurso de internet que você puder, pois garante que mesmo que o cibercriminoso tenha sua senha, ele terá que quebrar outra barreira de autenticação quase impenetrável antes de ter acesso aos seus dados. Basta lembrar do token, ou o “chaveiro” que as pessoas costumam receber do banco para acessar sua conta pela internet.


Normalmente o recurso funciona com a geração de um código aleatório enviado para o seu celular, ou então é utilizado um aplicativo como o Google Authenticator, ou o aplicativo do Facebook. Alguns serviços chegam a oferecer um item físico para poder realizar a autenticação mesmo sem um celular.


Não seja enganado

Força bruta e conhecimento técnico são só algumas das possibilidades utilizadas pelo cibercrime. Muitas vezes, a opção mais simples é pedir ao usuário as informações de acesso. Parece fácil fugir do golpe, mas ele normalmente vem mascarado por uma série de truques e as pessoas caem com uma frequência incrível.

Normalmente, o ataque se dá por meio de mensagens enviadas por e-mail, solicitando informações que comprometam a segurança do usuário. Um exemplo simples seria a “Apple” entrando em contato com um usuário por e-mail ameaçando cancelamento da conta caso as informações de cadastro não sejam atualizadas. A mensagem vem com um link para um site que se passa pelo da Apple, onde o usuário deve fazer um “login”, que não fará nada além de enviar de seus dados para o cibercriminoso.


Não aceite solicitações de “reset” de senha se você não solicitou nenhuma e não envie seus dados de acesso por e-mail para ninguém. Se você suspeitar de algo estranho acontecendo em sua conta, acesse o site do serviço e entre em “Esqueceu sua senha?” e inicie o processo para mudá-la o mais rápido possível.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Claro, Oi, Tim, Vivo: entenda quem quer comprar quem?

O setor de telefonia brasileiro está prestes a passar por grandes mudanças, sendo que algumas nem devem ser sentidas pelos usuários enquanto outras transformariam radicalmente o mercado.




Resumindo: a dona da Vivo deve se tornar dona da GVT. Mas a dona da Vivo já controla parte da Tim, que pode ser fatiada para se tornar parte da própria Vivo, da Oi e da Claro. Uma bagunça difícil de entender, então vamos por partes:




A empresa espanhola Telefónica controla a Telefônica Brasil, que é dona da Vivo. A GVT pertence a um grupo francês chamado Vivendi. Ontem, a Vivendi informou que analisará uma proposta feita pela Telefónica pela compra da GVT. Assim, a empresa que controla a Vivo passaraia a controlar também a GVT, mas tem mais.




A mesma Telefónica também possui uma fatia da empresa que controla a Tim, a Telecom Italia. A Telecom Italia, aliás, estava no páreo para comprar a GVT, tendo oferecido dinheiro e fatias da empresa para a Vivendi. Ao recusar a oferta, os franceses lembraram que, fechando negócio com a Telefónica, eles também têm como ficar com parte da Telecom Italia.




Para entender: a Telefónica propôs um total de € 7,45 bilhões pela GVT; € 4,66 bilhões em dinheiro e uma parte em em ações da Telefônica Brasil (12%). Um terço dessas ações poderá ser trocado por 5,7% do capital e 8,3% do controle da Telecom Italia. Assim, a dona da Vivo fica sendo dona da GVT, enquanto a ex-dona da GVT recebe uma parte da Vivo e da Tim.




Mas aí há a questão Tim. Nesta semana, a Oi informou que contratou o banco BTG Pontual para tentar comprar a Tim da Telecom Italia. A Telefónica (da Vivo) e a América Móvil, que controla a Claro, também entrariam no bolo. Com isso, a Tim pode desaparecer.




A conclusão final é a de que, se aceitar a proposta da Telefónica, a Vivendi pode se tornar sócia da Vivo e da Tim, o que já ocorre com a própria Telefónica e incomoda os órgãos regulatórios brasileiros. Só que a Tim corre o risco de desaparecer, tornando-se parte da Vivo, da Claro e da Oi. Que confusão.

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Nokia TREASURE TAG MINI WS-10







Coloque um Nokia Treasure Tag Mini em tudo que é seu. Todo item que estiver com um Nokia Treasure Tag Mini é exibido em um mapa. Assim, você você vai poder encontrá-los de um jeito fácil, usando apenas o seu smartphone.


Depois de colocar um Nokia Treasure Tag Mini em um objeto, você vai receber uma notificação no seu smartphone quando estiver prestes a esquecê-lo.
O Nokia Treasure Tag Mini é uma maneira acessível de controlar tudo o que importa para você. Gaste pouco para ter a tranquilidade de saber onde estão as coisas mais importantes. Comprar um Nokia Treasure Tag Mini é mais barato do que você imagina.
É muito mais fino do que a versão anterior (tem somente 5,85 mm de espessura). E está mais leve também. Colocar um Treasure Tag Mini nas suas coisas ficou mais fácil do que nunca: use a alça, um chaveiro ou seja criativo e invente a sua própria maneira de usar um Treasure Tag.

COMPATÍVEL COM MAIS APARELHOS

Se o seu telefone tiver Bluetooth 4.0, você poderá usar o Nokia Treasure Tag Mini. Nokia Treasure Tags funciona com aparelhos Nokia Lumia, iOS e Android. Tenha controle sobre coisas importantes para você, em qualquer aparelho.
·         Especificações

   CONECTIVIDADE
§  Bluetooth: Bluetooth 4.0 
§  Alcance de operação do BT: 40 m
ALIMENTAÇÃO
§  Bateria principal: CR2016 (5000LC) 
§  Capacidade da bateria: 70 mAh
§  Voltagem da bateria: 3 V
§  Bateria removível: Sim 
§  Bateria recarregável: Não 
CONTROLE DE ENERGIA
§  Tempo máximo em espera: 120 dias
INTERFACE DO USUÁRIO
§  Recursos da interface de usuário: Indicador de nível de bateria, Estrutura de aplicativo acessório AAF
DIMENÇÕES
§  Largura: 30 mm
§  Altura: 30 mm
§  Espessura: 5,8 mm
§  Peso: 6,2 g
§  Volume: 5,3 cm³
RECURSOS AMBIENTAIS
§  Materiais: Não contém PVC, Não contém BFR e rFR, como definido na Lista de Substâncias da Nokia
§  O produto é reciclável (até): 100% de materiais e energia recuperáveis 
§  Manual do usuário: Manual pequeno impresso, completo no nokia.com 

§  Embalagem: Feita de materiais renováveis 

terça-feira, 22 de julho de 2014

NOVIDADES WINDOWS PHONE

DICAS PARA NOVOS USUÁRIOS DO WINDOWS PHONE

O Windows Phone ultrapassou o iOS, da Apple, em fevereiro deste ano e se tornou o segundo sistema operacional móvel mais usado no Brasil, atrás do Android. Ao passo que ganha adeptos, porém, a plataforma da Microsoft luta para melhorar sua imagem junto aos desenvolvedores, acostumados a deixá-la de fora da primeira leva dos aplicativos.Se você optou recentemente por um aparelho com Windows Phone, dê uma olhada nas dicas abaixo, preparadas pela própria Microsoft para facilitar as primeiras experiências com o software. Confira.

Windows Live ID

Ao ligar um aparelho com Windows Phone pela primeira vez, é obrigatório o login ou criação de uma conta Windows Live ID, que pode ser @Hotmail.com, @Outlook.com, @Outlook.com.br, @live.com, conta Skype ou o email usado na conta Xbox. Este passo é necessário para segurança do usuário, para guardar os dados do telefone em um backup e também para permitir fácil integração com outros dispositivos Windows como tablets, PCs e Xbox. O Windows Phone permite fazer backup automático de agenda, fotos e vídeos em HD, mensagens de texto, aplicativos e configurações, assim, na trocar de aparelho, basta colocar o Live ID para restaurar todas as informações da conta sem a necessidade de baixar e instalar tudo novamente. Todas as informações ficam salvas de modo seguro no OneDrive, o serviço de nuvem da Microsoft.

Live Tiles

O Windows Phone permite total personalização dos Live Tiles ou Blocos Dinâmicos, os quadrados coloridos da home. É possível organizar de acordo com os aplicativos mais usados e também modificar o tamanho deles de acordo com a quantidade de informações que o usuário deseja. Por exemplo, deixar o app do Facebook logo na frente em tamanho grande, para visualizar as notificações sem a necessidade de abri-lo, e deixar o aplicativo do Twitter menor abaixo. A personalização de Live Tiles faz com que cada pessoa tenha um Windows Phone diferente de outro, mas caso haja a necessidade de buscar algum app utilizado com menor frequência, basta passar a tela para o lado que a lista completa de apps instalados está disponível em ordem alfabética.

Tarefas em Segundo Plano

Sempre que o usuário estiver executando um aplicativo, é possível tocar sobre o botão do Windows do aparelho e voltar para a home, no entanto, o aplicativo continua sendo executado em segundo plano e consumindo bateria. Para visualizar, alternar ou fechar os apps abertos, basta o usuário manter o toque por 3 segundos sobre o botão voltar, localizado ao lado esquerdo do botão Windows. Todas as aplicações abertas são apresentadas e é possível voltar para qualquer uma delas ou fechá-las pressionando o X. Para sempre fechar um aplicativo ao finalizar a atividade nele, o correto é tocar o botão voltar sem pressioná-lo, assim as fases anteriores são apresentadas até o fechamento completo.

Fotos

Todos os aparelhos Nokia Lumia disponíveis no mercado brasileiro  possuem um botão físico de acesso rápido à câmera. Mesmo com a tela bloqueada, basta pressioná-lo por 3 segundos para poder tirar fotos a qualquer momento. Após a captura, o compartilhamento em redes sociais, aplicativos, email, Bluetooth, NFC (caso o aparelho possua o recurso) e SMS é igualmente facilitado ao tocar sobre os três pontinhos (...) no canto inferior direito e selecionar a opção compartilhar.

Central de notificações

No Windows Phone 8.1 (por enquanto disponível apenas para o modelo Lumia 630 Dual-SIM, mas que em breve será disponibilizado para todos os WP8), a Microsoft implementou uma novidade que é muito importante e facilita a utilização do sistema operacional. Com a tela acesa, mesmo que bloqueada, é possível deslizar os dedos de cima para baixo e visualizar a central de notificações para acesso as últimas novidades e interações como mensagens de Whatsapp, SMS, chamadas, e-mails etc . É possível que o usuário escolha também até 4 botões de acesso rápido, como, por exemplo, Bluetooth, Wi-Fi, Modo Avião e travamento de rotação da tela para fixar na tela. Streaming de música offline gratuito.Quem possui um Windows Phone 8 da família Nokia Lumia conta com alguns aplicativos e serviços exclusivos, como o MixRadio, uma rádio personalizável que possui mais de 30 milhões de músicas divididas em diferentes playlists para reprodução online e offline. O serviço favorece a descoberta de novas músicas e artistas que agradem ao gosto musical de cada usuário por meio do botão "O que eu gosto", no qual é possível montar uma playlist nova e totalmente personalizada. Conforme você for ouvindo, é possível curtir cada música clicando no sinal de "positivo" para que músicas do mesmo estilo sejam incluídas na sua playlist e adicionar o artista na lista de favoritos para receber informações e conteúdo exclusivo. À medida que for classificando as músicas que gosta, o MixRadio vai reconhecendo o gosto musical do usuário e personalizando as futuras listas. Navegação GPS guiada ponto a ponto por voz offline gratuita. Também entre as vantagens de ser um usuário Lumia está o recurso de mapas. Com o aplicativo HERE Drive, o usuário pode baixar gratuitamente os mapas do país onde comprou o aparelho e navegar tranquilamente com um GPS no celular. Caso o aparelho seja compatível com a versão HERE Drive+, a vantagem é válida para qualquer lugar do mundo, sendo possível baixar a qualquer momento um mapa de outro país, durante viagens, por exemplo, e navegar neles sem necessidade de conexão com internet.

Hub Pessoas

Depois de definir as contas sociais, o Windows Phone integra os perfis do Facebook, LinkedIn e Twitter para facilitar a comunicação e reunir todas as informações em um único lugar. Desta forma, ao adicionar alguém no Facebook ou salvar um novo contato na agenda, é possível unir todas as informações em um único lugar e acessar informações como email, telefone, fotos dos álbuns do Facebook e últimas atualizações das redes sociais facilmente. O usuário também pode criar grupos de contatos, como trabalho, amigos e família e fixá-los na home.

Aplicativos


São mais de 250 mil aplicativos na Windows Phone Store e encontrá-los na loja não é difícil. O usuário encontra várias listas divididas por categorias como "Top apps pagos", "Top apps grátis", "Negócios" etc. Além disso, os usuários de Nokia Lumia possuem acesso ao exclusivo App Social, um aplicativo que torna mais fácil a tarefa de descobrir aplicativos. Ao entrar com seu perfil, o usuário pode ver as listas e recomendações de apps de outros usuários, além de encontrar e criar listas específicas

sábado, 15 de março de 2014

1º Censo de Tatuagem do Brasil


Para descobrir quem são os tatuados brasileiros, a SUPER fez uma pesquisa inédita por meio das redes sociais, com mais de 80 mil entrevistados e 150 mil tatuagens mapeadas. Os resultados desse censo foram publicados na edição de março da revista, e aqui você confere alguns dados e depoimentos inéditos.


DEPOIMENTOS
Os participantes do Censo foram convidados a dividir suas histórias. Leia algumas delas:

“Fomos ao estúdio eu, minha mãe e minha vó”
Marina Formiga, 21 anos, quiropraxista
“Desde os 15 anos eu queria fazer uma tatuagem, mas minha mãe dizia que era melhor esperar até os 18. Quando chegou a hora, fui ao estúdio com ela e a minha vó. Foi a primeira vez para mim e a minha mãe, mas a minha avó já tinha feito uma.
Acabamos voltando alguns anos depois, no fim do ano passado, e dessa vez as três fizeram a mesma tatuagem: um elefante tribal e seu filhote no tornozelo. Ela representa a importância da figura materna, já que nós três somos muito unidas.”
“Quando fiz a primeira, tinha 57 anos”
Aldo Jung, 64 anos, jornalista
“Comecei a me tatuar fazendo o retrato do rosto de minha amada, em p&b, na parte superior do braço esquerdo, em henna. Foi antes das férias. Depois de perceber a reação das pessoas, ao voltar das férias fiz a tatuagem de verdade. No ano seguinte, completei o desenho, fazendo-a nua, até a cintura, emoldurada por um grande sol colorido. No outro ano, e no outro braço, tatuei um coração bem colorido, atravessado por uma faixa com o nome dela. Quando fiz a primeira tatuagem tinha 57 anos.”
“Minhas tatuagens são fruto de promessas”
Danielly Friedrich, 23 anos, jornalista
“Desde criança aprendi a amar o Bayern de Munique, um time alemão. No meu caso, sagradas são as tardes de terças ou quartas de Champions League, e as manhãs de sábado da Bundesliga. Nenhum vizinho entende o tanto que eu grito nesses horários. Minhas duas tatuagens são fruto de promessas: a primeira, em 2012, fiz quando estávamos prestes a ser eliminados da Champions pelo Real Madrid, mas conseguimos a classificação nos pênaltis. Infelizmente naquele ano perdemos o título em plena Allianz Arena, mas a alegria viria em 2013. Na final contra o Borussia Dortmund, abrimos o placar, mas levamos o empate. No desespero, não poderia me frustrar novamente após chegar tão perto, e prometi tatuar o lema do clube, "mia san mia" (“nós somos o que somos”). Veio o gol sagrado de Robben, morri e voltei de tanta felicidade, e cumpri minha promessa com a maior satisfação do mundo. Muitas pessoas podem achar bobagem, mas o sentimento de torcer incondicionalmente por um clube é incrível. Pena de quem não consegue se sentir desse jeito.”
“Tatuei meus ídolos de infância”
Rafael Geraldo, 30 anos, designer
“Tenho uma tatuagem no antebraço que é quase uma piada. Fiz quatro nomes de forma rebuscada e tradicional. A sensação, para quem vê de longe, é que é alguma oração ou algo muito sério. Mas quando lê com calma vê que está escrito: ‘Didi, Dedé, Mussum e Zacarias’. Isso mesmo, tenho uma tatuagem dos Trapalhões, meus ídolos de infância.”
“Preciso esconder minhas tatuagens para trabalhar”
Roberta, 24 anos, professora
“Sou professora do ensino fundamental e a escola onde dou aula é muito rígida. Outro dia estava em uma feira gastronômica de camiseta e com minhas tatuagens à mostra e dei de cara com um aluno… Precisei jogar o cabelo na hora para esconder a tatuagem. Se isso chegasse no ouvido da diretora, eu perdia o emprego na hora (ela tem muito preconceito com tatuagens). Ela diz que isso pode influenciar os alunos de forma negativa. Mas enfim, não penso em trocar de emprego porque gosto muito do que faço e da escola onde dou aula.”
“Meu chefe me discrimina e também tem tatuagem”
Rafael, 26 anos, eletricista
“Sempre fui discriminado no trabalho por minha tattoo ser ‘grande’ (ela começa no ombro e termina no cotovelo). Sempre trabalho de manga longa, mas mesmo assim meu gerente já pediu que eu nem entrasse na empresa de camiseta manga curta. Bom. Um dia estávamos conversando e ele me diz do nada que também tem uma tatuagem. E detalhe: é uma tentativa de quem não aguentou a dor. A tatuagem do cara era muito parecida com a minha, só que bem menor…”
“A tatuagem me libertou”
Michelle Antunes, 30 anos, arquiteta
“Sofri um acidente de carro quando tinha 18 anos, fiquei com uma cicatriz enorme na perna e não usava shorts ou saias por causa disso. Depois de muitas cirurgias, recebi alta para fazer plásticas para corrigir a cicatriz. Fiz uma só e decidi que não queria mais sofrer com anestesias e cirurgias, e preferi ‘sofrer’ ganhando um desenho lindo. Tatuei toda minha coxa com dois elefantes indianos maravilhosos que são minha paixão, mostro para todo mundo e não tenho mais vergonha de usar saia! A tatuagem me libertou.”

quarta-feira, 12 de março de 2014

DICA PARA T.I.


  • Sinopse

    O avanço das novas tecnologias e da internet faz com que a demanda por profissionais da área de tecnologia da informação, ou simplesmente TI, cresça constantemente. Espera-se desse novo especialista amplo domínio de processos relacionados a web, redes, computação gráfica, infraestrutura, desenvolvimento de TI e aplicativos em geral. Neste glossário prático e completo estão reunidos os principais termos, siglas e expressões de TI, selecionados de forma cuidadosa por três autores que atuam como profissionais da área, que auxiliarão tanto os peritos como os leigos e interessados em aprimorar seu vocabulário e conhecimento em TI.